Dólar tem maior queda em 2 semanas e fecha a R$ 5,15 com otimismo no exterior

Na última sessão, o dólar caiu 0,86%, a R$ 5,2722 na venda

O dólar fechou em forte queda contra o real nesta terça-feira (23), na esteira do clima otimista no exterior por conta de sinais de recuperação da atividade e do alívio nas relações entre Estados Unidos e China. No Brasil, os investidores reagem à ata do Comitê de Política Monetária, divulgada nesta manhã.

A moeda norte-america encerrou o dia em baixa de 2,26%, a R$ 5,1531 na venda. É a maior queda percentual diária desde 8 de junho (-2,66%) e o menor patamar desde 15 de junho (R$ 5,1421).

Durante a sessão, a cotação oscilou entre baixas de 2,60%, a R$ 5,1350, e de 0,84%, para R$ 5,2279. Na B3, o dólar futuro recuava 1,92%, a R$ 5,1535, às 17h02.

Segundo Flávio Serrano, economista-chefe do banco Haitong, o movimento desta terça-feira reflete uma mudança em relação à aversão a risco vista no dia anterior, quando os investidores saíram de ativos de maior volatilidade, como ações e algumas moedas emergentes.

“Hoje há uma redução desse movimento, é um dia melhor. Os dados de atividade da Europa vieram bons, mais fortes do que se esperava, e as economias seguem reabrindo”, afirmou.

A pesquisa Índice de Gerentes de Compras (PMI) divulgada nesta terça-feira mostrou que a contração histórica da economia da zona do euro diminuiu de novo este mês já que várias empresas que haviam sido forçadas a fechar as portas para conter a disseminação do coronavírus reabriram.

Também colaborando para o sentimento, o assessor comercial da Casa Branca, Peter Navarro, voltou atrás em suas declarações de que o pacto comercial entre EUA e China estaria “acabado”, dizendo que seus comentários foram tirados do contexto, enquanto o presidente norte-americano, Donald Trump, confirmou no Twitter que o acordo está “totalmente intacto”.

Menor espaço para corte dos juros

Já no Brasil, a atenção estava na ata da reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), em que o Banco Central avaliou que a atividade econômica brasileira atingiu o fundo do poço em abril e disse que o país já estaria próximo do limite efetivo mínimo para a taxa básica de juros, a partir do qual novos cortes seriam contraproducentes.

A redução da Selic a mínimas históricas é apontada por analistas como fator de impulso para o dólar, uma vez que torna rendimentos locais atrelados aos juros básicos menos atraentes. Outros aspectos que favorecem a busca por segurança são as incertezas políticas e econômicas no Brasil, que podem ser ainda mais agravadas caso haja uma segunda onda global de infecções por Covid-19.

“A tendência do nosso dólar comercial, no curto e no médio prazo, continua indefinida”, disse Jefferson Rugik, da Correparti Corretora. “O risco de uma segunda onda do coronavirus se torna presente, e é ele o fator de definição de uma futura tendência.”

Na última sessão, o dólar caiu 0,86%, a R$ 5,2722 na venda.

O Banco Central fará neste pregão leilão de até 12 mil contratos de swap tradicional com vencimento em novembro de 2020 e fevereiro de 2021, para rolagem de contratos já existentes.

*Com Reuters

Fonte

Foto: Valentyn Ogirenko/Reuters

Adicionar comentário