Em novo dia de otimismo no mercado internacional, dólar mantém queda

A reabertura de economias ao redor do globo, após pandemia do novo coronavírus, tem mantido os investidores internacionais animados nesta quarta-feira (3).

O sentimento também vem impulsionando o câmbio e a Bolsa por aqui, apesar do Brasil ter renovado seu recorde de mortes por Covid-19 na terça-feira (2).

Às 9h11, o dólar recuava 0,62% ante o real, a R$ 5,1714. Na sessão anterior, a moeda americana havia registrado sua maior queda em dois anos, cerca de 3,2%.

Neste pregão, o Banco Central realizará leilão para rolagem de até 12 mil contratos de swap tradicional com vencimento em setembro de 2020 e fevereiro de 2021.

Histórico

O dólar terminou cotado a R$ 5,2104 na sessão de terça-feira (2), em queda de 3,2%, a maior em dois anos, na esteira do maior otimismo sobre recuperação da economia mundial no período pós-pandemia. Foi a maior desvalorização porcentual diária desde 8 de junho de 2018 (-5,59%) e o menor patamar de encerramento desde 14 de abril de 2020 (R$ 5,1906).

A cotação operou em queda ao longo de toda esta terça-feira. Na mínima, tocou R$ 5,2046 (-3,34%) e, na máxima, marcou R$ 5,3404 (-0,82%). O real liderou com folga os ganhos entre as principais moedas.

O dia foi marcado pelo apetite por risco no exterior, já que a reabertura gradual das principais economias e a desaceleração da curva de contágio por Covid-19 na Europa e nos EUA elevavam as esperanças de recuperação ante a crise atual.

“O real estava atrasado ante seus pares. E ainda está. Então não me surpreenderia de ver (o dólar) testar os R$ 5”, disse Bernardo Zerbini, um dos responsáveis pela estratégia da gestão macro da gestora AZ Quest.

Recente estudo do Goldman Sachs apontou o real como a terceira moeda com mais excesso de desvalorização no universo emergente dentre mais de 20 rivais, à frente apenas de lira turca e rand sul-africano.

Como um todo, as moedas emergentes perdem 5,13% neste ano, segundo dados mais recentes disponíveis até a segunda-feira. O real, no mesmo período, caiu 25,47% ante o dólar, pior desempenho mundial.

Nesta sessão, várias divisas de risco se apreciavam de forma expressiva, com destaque para peso colombiano (+2,3%), peso chileno (+1,8%) e lira turca (+1,6%).

O índice do dólar contra uma cesta de moedas fortes caiu ao menor patamar desde meados de março. Os mercados globais de ações saltaram a picos também desde março, e os preços do petróleo fecharam em mais uma forte alta, indicando confiança na retomada da demanda conforme as economias voltam a abrir.

Dan Kawa, sócio da TAG Investimentos, afirmou que as moedas emergentes, grupo do qual o real faz parte, parecem a mais recente classe de ativos a se recuperar, depois de alguma retomada nos mercados acionários e de crédito.

Ele cita riscos a essa melhora, sobretudo vindos da relações EUA-China e de escalada de protestos nos EUA, mas ressalva que esse não é seu cenário básico. “Acredito que o mercado vai precisar de uma mudança substancial de cenário para inverter essa tendência de recuperação. A liquidez é muito colossal. Nos atuais níveis, estou mais cauteloso pela piora do risco/retorno”, disse.

Na maior economia do mundo, os investidores pareciam deixar de lado momentaneamente os protestos violentos em resposta ao assassinato de um homem negro por um policial branco, que vêm a assolando diversas cidades norte-americanas.

“Mesmo com (toda a inquietação social nos EUA), os investidores focam a atenção aos ciclos de reabertura e retomada da atividade econômica em diversas localidades e os possíveis efeitos no curto prazo, principalmente no verão do hemisfério norte”, escreveram analistas da Infinity Asset.

Zerbini, da AZ Quest, vê chances de o dólar cair mais e eventualmente perder o suporte de R$ 5 no curto prazo, mas pondera que no médio prazo o viés para a moeda brasileira ainda é negativo. “Oitenta por cento do movimento recente (de apreciação do real) é externo. Mas o Brasil é um país que tem dificuldade em atrair investimentos e terá de se provar à frente e recuperar o crescimento depois da queda brutal na atividade neste ano”, afirmou.

“O Brasil tem performado bem recentemente por questão de valuation (preço), não por percepção de que as coisas vão andar e que o país vai crescer”, finalizou.

O Banco Central (BC) vendeu nesta terça todos os 12 mil contratos de swap cambial tradicional ofertados para rolagem do vencimento julho de 2020.

Ainda assim, a agitação política deve continuar no radar dos mercados no curto prazo, nos EUA e no Brasil, pondera a Infinity. “Eis que novamente a política exerce poder sobre o mercado e, tanto aqui quanto nos EUA, deve ser o foco nas próximas semanas, devido ao imbróglio político local e à série de protestos que podem enfraquecer (o presidente dos EUA, Donald) Trump.”

No Brasil, o ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), arquivou na noite de segunda-feira (1) o pedido feito por partidos políticos para que o telefone celular do presidente Jair Bolsonaro fosse apreendido no âmbito do inquérito que investiga se ele tentou interferir politicamente na Polícia Federal, e fez um alerta ao presidente de que descumprir ordens judiciais implica em crime de responsabilidade.

As tensões recentes entre os poderes Executivo e Judiciário foram apontadas por analistas como fator de impulso para o dólar. As incertezas políticas, somadas a um ambiente de juros baixos e crescimento fraco, prejudicam as perspectivas de investimento estrangeiro no Brasil.

 

Fonte.

Foto: Colin Watts/Unsplash.

Adicionar comentário